Atualizado em 10-11-2023

por Equipe Santander

Acessibilidade

Tema para daltônicos

Modo escuro

0:00

 / 

0:00
Na imagem temos um texto à direita com a frase 'Cuidado para não ser fisgado'. Já à esquerda, temos uma ilustração que representa um celular com um ícone de cadeado.

Junto com o aumento de recursos tecnológicos que passamos a utilizar nas situações da nossa rotina, também se multiplicam os tipos de ataques cibernéticos. Um deles, que é feito em ambientes digitais, é o phishing.

As pessoas mal-intencionadas que aplicam essa armadilha aumentam as chances de conseguirem coletar os dados sigilosos da vítima ao usar um tipo de isca virtual, sendo a característica principal do método que deu o nome a este golpe.

Descubra como acontece o golpe de phishing e coloque em prática as nossas dicas para evitar que suas informações sejam coletadas indevidamente.

Golpe do Phishing: o que é e como ele funciona

Com origem em inglês, o termo que define esse golpe remete ao modo como ele funciona. Isto é, “fishing” se traduz como “pescaria”, e esse é o jeito como os criminosos fazem as suas novas vítimas: ao fisgar, como uma isca, a pessoa e induzi-la a cair na armadilha.

A prática consiste em enviar, por exemplo, e-mails com link ou anexos falsos que pareçam verdadeiros para atrair a vítima, como se fossem de sites oficiais ou fontes confiáveis. Os golpistas cibernéticos também podem enviar links por SMS, via WhatsApp ou até ligar para a vítima pedindo que acesse um site falso.

Ao clicar no link ou no anexo enviado e acessar o site falso, os golpistas capturam informações que irão utilizar para completar o golpe.

Quais dados podem ser coletados no phishing?

Ser uma vítima dos casos de phishing não é nada legal, já que se trata do roubo de dados confidenciais e que poderão causar imprevistos em diferentes áreas da sua vida.

Por exemplo, os criminosos conseguem coletar senhas, dados do cartão ou até têm a chance de instalarem vírus no celular ou computador da pessoa.

Confira o que fazer para não ser vítima do phishing

Dicas para se proteger do phishing? Nós temos! Afinal, queremos te ajudar a manter a sua segurança em dia para não deixar que coletem nenhuma das informações que apresentamos como exemplo no tópico anterior.

Esteja atento em quais links você clica

Em primeiro lugar, é recomendado pensar bem antes de clicar em links, visto que pode se tratar de uma comunicação fraudulenta. Por isso, lembre-se: verifique se as mensagens recebidas são confiáveis e se os links levam para páginas verdadeiras.

Veja abaixo sugestões de como identificar um e-mail falso:

- Confira se o remetente é o oficial da empresa, no nosso caso os e-mails serão enviados pelo remetente @santander.com.br

- Desconfie de promoções milagrosas, com preços muito abaixo da média ou avisos urgentes sobre perda de pontos de programas de fidelidade. O ideal é procurar pela promoção direto no site oficial da empresa.

- Nosso site oficial é www.santander.com.br. Nunca clique em links que informem um site diferente deste.

Nunca informe dados sigilosos

Suspeite de comunicações com link solicitando informações confidenciais. De forma alguma compartilhe as suas senhas, código de validação do ID Santander, dados do cartão ou qualquer outra informação sigilosa.

Cuidado com downloads de anexos e aplicativos

Afinal, eles podem conter vírus que irão infectar o seu dispositivo e comprometer as suas informações confidenciais. Como a instalação de vírus é um dos jeitos de criminosos aplicarem o phishing, é preciso tomar cuidado também com a solicitação de baixar arquivos ou aplicativos.

E não se esqueça também de manter o antivírus atualizado em seu computador e celular.

Se receber uma comunicação com link em nome do Santander e ficar na dúvida se é um golpe, envie para suspeita@santander.com.br para análise dos nosso time de especialistas. 

Veja também outros golpes ou fraudes que estão em alta e confira as dicas de segurança que preparamos para você.

Saiba mais sobre segurança

 

Avalie esse artigo