Desculpa, mas infelizmente nosso site não está habilitado para o seu navegador

Para ter uma melhor experiência ao usar o portal Santander, prefira um dos navegadores abaixo

Navegadores compatíveis

Internet Explorer 11

Santander - Atualizações do mercado financeiro

Data de publicação:22/04/2024

Abaixo os últimos acontecimentos:

 
 
DESTAQUE GLOBAL
 
Esta é a abertura de mercado produzida por Estrategistas de Investimentos do Santander Brasil. É importante reforçar que esse conteúdo é apenas um compilado das principais notícias que influenciaram o mercado financeiro nos últimos dias e que estão no radar para hoje, eventualmente para os próximos. Por isso, ele não deve ser encarado como uma orientação ou mesmo um direcionamento para suas aplicações. Precisando de algum apoio nesse sentido, procure pelo seu especialista ou assessor de investimentos.
 
Os índices de ações do Ocidente avançam após perdas recentes em Wall Street, indicando que poderão se recuperar das quedas passadas e em um dia de agenda mais vazia. As bolsas europeias sobem com mais ímpeto em sua maioria em meio ao alívio das tensões no Oriente Médio, o que acaba diminuindo a pressão sobre o preço do petróleo. 
 
Além disso os investidores ainda aguardam balanços de grandes bancos nos próximos dias na Europa e das grandes empresas de tecnologia, as chamadas Big Techs, nos Estados Unidos. Também devem ficar no radar eventuais sinais da política monetária por parte do  Banco Central norte-americano (Fed, na sigla em inglês) que tem pautado os noticiários já há algumas semanas.
 
Hoje sai um dado preliminar de confiança do consumidor da Zona do Euro e também a participação da presidente do Banco Central Europeu em um evento à tarde.
 
Nos Estados Unidos ainda há contínuos temores de que os juros seguem restritivos por mais tempo, em busca de controlar os preços na região. Por lá os diretores do Banco Central estão em período de silêncio antes da reunião de política monetária no dia 30 de abril e 1º de maio. Hoje os títulos públicos dos EUA, os Treasuries, avançam, depois de cederem na sexta-feira, o dólar opera perto da estabilidade.
 
Na agenda externa da semana, amanhã sairão os dados dos Índices de Gerentes de Compras (PMI,na sigla em inglês) Europeus e dos Estados Unidos, e ainda a primeira leitura do Produto Interno Bruto (PIB) para o primeiro trimestre, na sexta-feira. No mesmo dia serão divulgados dados do Índice de Preços ao Consumidor (PCE, na sigla em inglês) que é o índice de inflação preferido do Banco Central norte-americano, quando avalia os índices de preços por lá. Além de diversos balanços. 

 
DESTAQUES NO BRASIL
 
No Brasil, a repercussão não foi diferente. O presidente do Banco Central reforçou que, se as incertezas atuais se mantiverem, ele poderá reduzir o ritmo de corte de juros já na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom). O discurso resultou em um aumento nos prêmios de juros nos títulos de curto prazo, enquanto os com prazo mais longos acabaram se beneficiando da queda nos juros dos Treasuries dos Estados Unidos.
 
O real brasileiro ganhou força com a valorização do minério de ferro e a correção cambial global, levando a uma depreciação do dólar, marcando a primeira queda após cinco sessões consecutivas de alta.
 
 
Na bolsa de valores, o desempenho das ações refletiu uma reação mista às condições de mercado. Empresas como Vale e Petrobras registraram ganhos modestos, no entanto, o Ibovespa, principal índice do mercado, encerrou em baixa. Esse declínio foi influenciado principalmente pelo setor bancário e pelas implicações das declarações do presidente do Banco Central, que pesaram no sentimento dos investidores, refletindo a preocupação com a política fiscal do país e o ambiente econômico interno.
 
Fontes: Folha de São Paulo, Valor Econômico, Estado, Globo, Gazeta do Povo, Goldman Sachs, JP Morgan, Gavekal, Capital Economics, Vital Knowledge, MCM, Pastore Associados, Bloomberg, Broadcast.

INDICADORES

 

FECHAMENTO DO MERCADO EM 18/04

· Ibovespa: 124.196 pontos (+0,02%)

· S&P 500::  5.011 pontos (-0,22%)

· Dólar (Ptax venda): US$/R$ 5,25 (+0,12%)

 
 
 

 
EXPECTATIVAS
 
Cenário Local
 
Após o Comitê de Política Monetária (COPOM) anunciar um corte de 0,50 ponto percentual na taxa Selic, passando de 11,25% para 10,75% ao ano, houve alteração na sinalização futura do ritmo de cortes para as próximas reuniões, passando a ficar mais dependente da evolução dos dados, em particular de inflação. O Comitê retirou o plural da expressão e se comprometeu com a magnitude e a direção apenas da próxima decisão, prevista para maio.
 
As observações recentes indicam um panorama otimista para o mercado de trabalho e para o Produto Interno Bruto (PIB), com a atividade econômica demonstrando um vigor acima do inicialmente previsto para o começo do ano, sugerindo uma desaceleração menor do que a esperada para o período. Como resultado, o Departamento Econômico do Santander Brasil revisou a projeção de crescimento do PIB de 1,5% para 1,8%, em 2024.
Mesmo com uma postura mais cautelosa do Banco Central devido as incertezas, a projeção é de uma moderação inflacionária superior à expectativa mediana do mercado financeiro, com uma desaceleração no setor de serviços. No lado fiscal, a robustez na arrecadação federal tem permitido postergar decisões sobre alterações nas metas de resultado primário, embora a complexidade na regulamentação da reforma tributária possa introduzir riscos. No entanto, um cenário externo favorável pode mitigar esses riscos.
 
Em função dessas análises, o Departamento Econômico do Santander Brasil ajustou as projeções para a Selic de 8,5% para 9% ao final de 2024 e para 8% ao término de 2025, mantendo vigilância sobre possíveis riscos altistas vinculados a desvios nas expectativas de inflação e juros, tanto no Brasil quanto nos EUA, bem como em relação aos riscos geopolíticos. Adicionalmente, os estímulos fiscais se concentram no primeiro trimestre, antecipando-se que a flexibilização monetária iniciada em agosto de 2023 fomente o crédito e, consequentemente, o crescimento econômico no segundo semestre. A não concretização dessas expectativas pode acarretar riscos negativos para o mercado de trabalho e a arrecadação federal.
 
Cenário Internacional
 
O Banco Central dos Estados Unidos (Fed, na sigla em inglês) manteve os juros inalterados no intervalo entre 5,25% e 5,50%, ainda sinalizando que só iniciará o ciclo de cortes quando tiver confiança de que a inflação está evoluindo de forma sustentável para 2%.  A estimativa do Fed aponta para 3 cortes em 2024, mesmo diante de elevação significativa nas projeções de inflação e de crescimento para o ano.
 
Para 2025, a estimativa de juros subiu de 3,6% para 3,9% e, para 2026, de 2,9% para 3,1% e, no longo prazo, subiu também, de 2,5% para 2,6%. A estimativa de inflação do gasto do consumo pessoal, referencial das metas do Banco Central dos EUA foi mantida em 2,4% para este ano, mas subiu de 2,1% para 2,2% em 2025, permanecendo em 2% para 2026. O núcleo do Índice de Preços ao Consumo (PCE, na sigla em inglês) que exclui alimentos e energia, passou de 2,4% para 2,6% para este ano, e foi mantida em 2,2% para 2025 e 2,0% para 2026. A estimativa de crescimento do PIB norte-americano passou de 1,4% para 2,1% neste ano, de 1,8% para 2,0% em 2025, e de 1,9% para 2,0% em 2026. A projeção para a taxa de desemprego nos Estados Unidos passou de 4,1% para 4,0% para este ano, ficou em 4,1% para 2025 e caiu de 4,1% para 4,0% em 2026.
 
O presidente do BC dos EUA não mostrou preocupação com os números de inflação mais pressionados no início do ano, tampouco com o afrouxamento das condições financeiras, dado como pressão esperada de início do ano. Com isso, as sinalizações se ajustam com o nosso cenário base de cortes de juros a partir do segundo trimestre, mesmo quando o mercado estava otimista e precificava o início de corte já para essa última reunião de março.
 
A decisão do Comitê de Política Monetária do Fed (FOMC, na sigla em inglês) foi recebida com otimismo pelo mercado financeiro, mas seguem incertezas com relação aos dados que serão divulgados nas próximas semanas. As bolsas norte-americanas registraram marcas históricas e observamos que os estudos do mercado financeiro renovam mais espaço de valorizações dos ativos de risco nos Estados Unidos mesmo com a taxa básica de juros em patamares elevados.
 
Fontes: Folha de São Paulo, Valor Econômico, Estado, Globo, Gazeta do Povo, Goldman Sachs, JP Morgan, Gavekal, Capital Economics, Vital Knowledge, MCM, Pastore Associados, Bloomberg, Broadcast.
 
 

CARTEIRAS MODELO

 

Em momentos como este, ter um profissional qualificado, que possa apoiar sua decisão sobre seu portfólio de investimentos é ainda mais importante. Por isso, nossos estrategistas elaboram as Carteiras Modelo, que são compostas por soluções de investimentos que buscam se beneficiar em um cenário de retomada da economia, combinadas a estratégias de proteção, que objetivam diminuir os impactos de momentos adversos, como o que estamos passando. Tudo isso, considerando sempre seus objetivos e perfil de risco. Continuaremos atentos aos movimentos de mercado e estamos aqui para apoia-la (o) em qualquer decisão.

Material publicitário

Saiba mais

Material Publicitário. Este material foi preparado pelo Banco Santander (Brasil) S.A.  e se destina a apresentar nossas projeções e estimativas, assim como algumas soluções de investimento disponíveis no Santander, não devendo ser interpretado como indicação ou recomendação de investimento. Estas projeções e estimativas não devem ser interpretadas como garantia de performance futura, pois estão sujeitas a riscos e incertezas relacionados a fatores fora de nossa capacidade de controlar ou estimar precisamente, que poderão diferir daqueles projetados. A informação contida nesse material baseia-se na melhor informação disponível, recolhida a partir de fontes oficiais ou críveis. Não nos responsabilizamos por eventuais omissões ou erros. As opiniões expressas são as nossas opiniões no momento. Não estamos obrigados a publicar qualquer revisão ou atualizar essas projeções e estimativas frente a eventos ou circunstâncias que venham a ocorrer após a data deste documento.

OS INVESTIMENTOS MENCIONADOS PODEM NÃO SER ADEQUADOS AOS SEUS OBJETIVOS, SITUAÇÃO FINANCEIRA OU NECESSIDADES INDIVIDUAIS. O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO API – ANÁLISE DE PERFIL DO INVESTIDOR É ESSENCIAL PARA GARANTIR A ADEQUAÇÃO DO PERFIL DO CLIENTE AO PRODUTO DE INVESTIMENTO ESCOLHIDO. LEIA PREVIAMENTE AS CONDIÇÕES DE CADA PRODUTO ANTES DE INVESTIR.

 

Os clientes que desejarem incluir ou excluir seu e-mail de qualquer um dos relatórios do departamento econômico devem encaminhar uma mensagem para economiabrasil@santander.com.br informando nome, sobrenome, endereço eletrônico, empresa e o idioma (Português ou Inglês) que deseja receber.

 

Todos os relatórios do departamento econômico do Santander são disponibilizados gratuitamente em www.santander.com.br/economia

Visite o nosso site!

© Banco Santander (Brasil) S/A. Direitos reservados.