Santander

Fila de espera, nunca mais

Com os recursos que chegaram por meio do Amigo de Valor, Itaí conseguiu montar uma equipe completa de atendimento e aumentar o número de vagas no serviço para pessoas com deficiência

Foto: divulgação
24/10/2019

Estar em uma lista de espera quando cada minuto conta pode ser desesperador para quem tem filho com deficiência intelectual ou física. Ainda mais quando a fila não anda. Quanto tempo vai demorar para cadastrar? Quando começa o atendimento?

Os apelos angustiantes dos pais encontravam uma equipe impotente para solucionar a carência de vagas no Serviço para Pessoas com Deficiência e suas Famílias – Integrar de Itaí (SP). “Nossos usuários frequentavam a APAE da cidade vizinha porque o município não tinha estrutura especializada”, conta Valdirene Zanini Lopes, Coordenadora do serviço da Secretaria do Bem-Estar Social da prefeitura. Eram 19 vagas e uma lista de espera de 20 crianças e adolescentes.

Com os recursos que chegaram por meio do Programa Amigo de Valor, Itaí conseguiu montar uma equipe completa de atendimento e melhorar as instalações desse serviço da assistência social. Essas medidas possibilitaram aumentar as vagas no Integrar e a lista de espera foi praticamente zerada.

Equipe multidisciplinar

O processo de avaliação prevê visita à casa da criança ou adolescente, conversa com os pais e análise completa do usuário. Ter uma equipe multidisciplinar fez toda a diferença. O projeto hoje conta com terapeuta ocupacional, psicólogo, assistente social, pedagogo, fonoaudiólogo, enfermeira e fisioterapeuta.

Os recursos também cobriram a compra dos equipamentos de fisioterapia e testes de psicologia, o mobiliário e os utensílios de cozinha para a Casa de Convívio. Nessas instalações, os usuários são treinados para a rotina doméstica, o que representa um salto na autonomia e na qualidade de vida deles e de suas famílias.

As atividades oferecidas estimulam a inclusão social e a socialização dos atendidos. A academia de ginástica é adaptada para as suas limitações. Eles também fazem aulas de dança e têm oficinas de informática, grafite e técnicas de artesanato. Há uma horta suspensa acessível aos cadeirantes. Nas rodas de conversa, trabalham temas como o preconceito, família, bullying e higiene pessoal. A cada 15 dias, são feitos grupos com as famílias para a troca de informação e orientação.

Das grandes conquistas às pequenas vitórias

Valéria, Iriã, Gustavo e Poliana: juntos, eles descobriram a vocação para os esportes dentro do Integrar.

A prática esportiva tem um papel marcante na agenda da instituição, em especial o atletismo. Muitos usuários se destacam em campeonatos para pessoas com deficiência intelectual. Iriã Judas Gomes, com Síndrome de Down, tem várias medalhas em campeonatos internacionais. O forte de Iriã é a corrida – é campeão brasileiro em sua categoria nos 1.500 metros e 800 metros, campeão mundial na Itália em 2016 e finalista em Portugal em 2018.

Valéria Cristina da Silveira, com deficiência intelectual, conquistou o vice-campeonato brasileiro nos 800 metros. Poliana Cristina Benedito, com Síndrome de Down, brilhou como campeã brasileira no arremesso de disco e conquistou bronze na corrida de 400 metros. Gustavo Santos Jovelli foi medalha de bronze nos 800 metros. Todos descobriram a vocação de atletas – e de campeões – treinando no Integrar.

São grandes conquistas e motivo de orgulho para a família. Do mesmo modo, as pequenas vitórias mantêm o entusiasmo e dão um sentido a todo trabalho desenvolvido. Negligenciado pelos pais, o pequeno Bruno*, de 1 ano, “não conseguia se sentar e não tinha movimentos nas pernas”, relata Ruthelen Gonçalves Cláudio, assistente social responsável. Após as sessões de terapia ocupacional e fisioterapia, o bebê engatinha e se desenvolve normalmente.

Matheus Zamariolli, adolescente cadeirante, não saía da frente da televisão e assistia sem parar o mesmo desenho. Hoje, diminuiu o tempo na sala de TV, guarda os materiais e aceita fazer outras atividades. Registrados em relatórios, os avanços não deixam dúvida. Tanto as famílias quanto os professores da rede pública sentem a diferença proporcionada pelo atendimento, diz a assistente social.

Pouco a pouco, a conquista de autonomia e a melhora no aprendizado dá uma nova dimensão de vida a essas crianças e adolescentes e suas famílias. Para a equipe do Integrar, o sentimento de realização dá forças para seguir em frente e lutar para que as filas de espera não voltem mais.

*nome fictício, para preservar a identidade da criança.