Atualizado em Mon Mar 18 17:38:01 GMT-03:00 2024

por Equipe Santander

c. concepts / client-service/Bank and Counter/simple credit Copy 11

Acessibilidade

c. concepts / client-service/Bank and Counter/simple credit Copy 12
Aumentar espessura do texto Aa
Preto e amarelo - tema para daltônicos (WCAG 16:44:1)
Preto e branco - tema para daltônicos (WCAG 21:1)
c. concepts / client-service/Bank and Counter/simple credit Copy 11

Modo escuro

0:00

 / 

0:00
Na imagem, há a ilustração de um homem com um ponto de interrogação acima da cabeça e um saco de dinheiro à sua frente. Ao lado, a frase 'Quanto custa o seu produto?'.

O preço de venda de um produto ou serviço é uma das decisões mais importantes a serem tomadas como dono de um negócio.

Por isso, escolher um bom modelo de precificação adequado ao mercado pode impactar todas as etapas do empreendimento, inclusive sua própria vida útil.

Então, a pergunta valendo um milhão de reais é: como calcular o preço de venda de um produto? Neste artigo, vamos responder a essa questão e entender mais sobre o assunto. Vem com a gente!

Para começar, o que é preço de venda?

Se você está no início do seu negócio ou ainda na etapa de planejamento, talvez ainda não tenha nem pensado nisso. Mas tudo bem! Vamos explicar do que se trata.

Preço de venda é a quantia que um comprador paga por um produto ou serviço. Ele pode variar de acordo com o custo do produto para o empreendedor, a demanda pelo item ou prestação de serviço e seu valor percebido – a percepção do cliente em relação ao custo-benefício do que está sendo oferecido.

Mas não é só isso.

O preço de venda também depende de quanto o vendedor está disposto a aceitar e o quão competitivo o preço está em comparação com outros negócios semelhantes no mercado na prática.

De maneira geral, o preço de venda médio de venda pode funcionar como um resumo desses fatores para ajudá-lo a definir o preço do seu produto.

O que impacta no preço de venda do produto?

Para ficar mais claro, vamos listar quais fatores devem ser considerados para definir o preço de venda:

- Custo do produto: Parece óbvio, mas é importante lembrar: se você cobrar menos por um produto que custa mais, terá prejuízo. O valor precisa ser maior para compensar o negócio.

- Custo de envio e manuseio: Não deixe de considerar o custo da logística para que o cliente receba o produto – seja para envio ou mesmo um ponto de venda.

- Impostos: Inerente a muitos tipos de negócios, principalmente de venda de produtos, as taxas e tarifas devem ser incluídas na conta.

- Concorrência: É essencial entender por que e a que custo outros produtos semelhantes são vendidos.

Você vai querer ler: O que é gestão de vendas? Veja qual ferramenta pode ajudar o seu negócio a crescer ainda mais

Então, como calcular o preço de venda de um produto?

Existem diferentes formas de calcular o preço de venda de um produto, inclusive considerando os aspectos que mencionamos no tópico anterior.

Ao definir um preço de venda para um produto, normalmente é usado o Preço Médio de Venda como referência. Essa medida é a média de todos os preços pelos quais um determinado produto foi vendido ao longo do tempo.

Confira a seguir dois estágios simples para calcular e definir o preço dos seus produtos ou serviços:

Conheça a fórmula do preço de venda em duas etapas

1. Some seus custos variáveis (por produto)

Uma estratégia de preços eficaz se resume a compreender seus custos. Caso você faça pedidos por produtos, saberá qual o preço bruto por unidade - resultando no custo dos produtos vendidos.

Mas se você mesmo é quem fabrica seus produtos, é essencial analisar o conjunto de matérias-primas, custos de mão de obra e custos indiretos. Quanto custa este pacote e quantos produtos são criados a partir dele? Essa resposta pode dar uma estimativa dos custos por cada item.

Também é necessário considerar o tempo gasto no negócio, identificando quantos produtos é possível fabricar nesse período – isso vale principalmente para quem presta serviços, que terá um cálculo um pouco mais subjetivo que nos produtos físicos.

Na prática, os custos variáveis incluem:

- Custo de bens vendidos
- Tempo de produção
- Embalagem
- Materiais de divulgação
- Envio de produtos
- Comissões para vendedores

2. Adicione uma margem de lucro

Depois de definir seus custos variáveis por produto vendido, é hora de incluir lucro no preço de venda. Na hora de definir essa porcentagem, vale considerar o que é praticado pelo mercado geral, se certificando de que sua faixa de preço esteja dentro do que é aceitável pelo público. 

Nesse caso, a fórmula seria a seguinte:

Preço alvo = (custo variável por produto) ÷ (1 - margem de lucro desejada como decimal)

Mesmo sendo tão relevante, a margem de lucro também pode ser motivo de dúvidas entre os novos empreendedores. Para calcular esse valor, é preciso ter clareza quanto ao objetivo do negócio, e assim, definir particularmente a margem para cada produto, alinhada com o seu objetivo.

Leia também: Inscrição Estadual: um guia para deixar sua empresa regularizada

4 erros na definição do preço de venda

Ao definir o valor final do seu produto ou serviço, alguns erros podem ser fatais para a sustentabilidade do negócio, podendo leva-lo até à falência. Olha só:

1. Incluir custos fixos no preço dos produtos: Apesar de recomendada por muitos especialistas, a prática de diluir custos fixos no preço final não é uma boa ideia.

Isso porque o lucro com as vendas não deve servir para cobrir esses custos. Caso uma empresa concorrente tenha um custo menor, o preço de venda também será menor e consequentemente, vai sair na frente das demais.

2. Definir o preço pela concorrência: Outro erro cometido na definição do preço de venda é diminuir esse valor considerando o preço do concorrente sem considerar suas margens.

Isso acaba levando prejuízo ao negócio, já que a o concorrente pode estar precificando de maneira errada e tem outros objetivos. Lembre-se que o mercado deve ser usado apenas como referência.

3. Se orientar por dados superficiais: Também chamadas de métricas de vaidade, números como faturamento ou número de vendas não devem servir de guia na gestão da empresa.

É preciso chegar ao ponto de equilíbrio operacional, ou seja, o momento em que o lucro é zero, para que exista clareza na definição do preço ideal e na criação de estratégias.

4. Não considerar a margem de contribuição: Esse é um dado muitas vezes esquecido, mas muito importante para calcular o preço de venda de um produto.

Essa margem é o lucro bruto do produto, obtida entre a diferença do preço de venda e as despesas variáveis do produto. Na prática, para cada real faturado, essa margem é o lucro que está entrando na operação.

Adotar essa abordagem resultará em um preço no qual você pode se sentir confiante, porque o mais importante na precificação é ter certeza de que seu preço o ajudará a construir um negócio sustentável.

Da mesma forma, se manter atualizado e bem informado pode ser o ponto chave para o sucesso do seu negócio. Com o programa Avançar + Educação Empreendedora do Santander, você encontra uma jornada de conhecimento para impulsionar a gestão do seu negócio, com acesso a cursos gratuitos e conteúdos de especialistas:

Conheça o programa

E para acompanhar suas entradas e saídas e gerir suas finanças como pessoa jurídica (PJ), a conta empresarial do Santander oferece uma série de benefícios. Abra a sua agora mesmo e aproveite todas as vantagens!

Abrir conta PJ

 

Fonte: Sebrae

 

Avalie esse artigo