Atualizado em 07-03-2022

por Equipe Santander

Se tem uma coisa que parece fazer parte da realidade do Brasil são as dívidas. Em 2021, o Banco Central divulgou que o endividamento das famílias atingiu um patamar recorde de 58,5%, o maior percentual da série histórica, que vem sendo registrada desde 2005.

Sabe o que isso significa? Quer dizer que, de cada R$ 100 nos orçamentos familiares, R$ 58 estão comprometidos com dívidas. Podemos concordar que é bastante, né? Teve um fator predominante para que isso acontecesse: a crise econômica impulsionada pela pandemia da Covid-19.

Mas conforme a nossa esperança cresce em relação ao fim desse momento complicado, precisamos agora resolver o problema das dívidas e da inadimplência. Neste artigo, vamos dar dicas, um passo a passo simples que você pode seguir para pelo menos reduzir o endividamento familiar. Vamos lá?

Entenda a diferença entre dívida e inadimplência

Para começar, é bom saber que existe sim uma diferença entre dívida e inadimplência. As dívidas são o que você tem que pagar daqui pra frente. Vamos supor que você fez um financiamento para comprar um carro, para pagar parcelas mensais por três anos. Essa obrigação de pagar o banco por esse período significa que você assumiu um endividamento.

O que é inadimplência? É o descumprimento de um contrato ou de uma obrigação. Em outas palavras, é quando as coisas não vão muito bem e você não consegue pagar as dívidas. Já podemos perceber que se você acumula muitas dívidas e a sua renda não é muito grande, um endividamento pode acontecer a qualquer minuto.

3 passos para sair das dívidas

Se você acumulou muitas dívidas nos últimos anos e a inadimplência é questão de tempo, é provável que você esteja sofrendo pela falta de planejamento financeiro. Apesar de não ser motivo de desespero, é preciso muita atenção com os seus próximos passos em busca de solução.

Por isso, preparamos algumas dicas de como você pode reorganizar a vida financeira. Está preparado? Vem com a gente!

Faça um fluxo de caixa família

Fazer um fluxo de caixa da família é o seu primeiro passo, pois é apenas com a certeza da receita mensal da família, com os ganhos exatos de cada membro, que poderemos traçar qualquer plano para os próximos meses.

É fundamental saber o quanto a família ganha e quanto gasta, mesmo que não tenha uma receita fixa. Se houver variação mês a mês, faça uma média.

O fluxo de caixa também é essencial no mundo corporativo. Entenda a importância dessa ferramenta para a saúde financeira de uma empresa.

Com essas informações financeiras da sua família, você saberá exatamente quanto sobra no mês para pagar as dívidas. Se não sobrar nada, o plano será a priorização dos gastos.

Se necessário, crie uma planilha e faça com que cada pessoa da família coloque os seus dados financeiros, com os pagamentos recebidos e as despesas previstas.

Todas as dívidas, como são obrigações, precisam estar nesse fluxo. São despesas obrigatórias a serem pagas todos os meses. Caso contrário, como vimos anteriormente, a família ficará inadimplente o os juros podem acarretar uma situação ainda mais complicada.

Elimine as dívidas com juros altos

Se você fez uma dívida, ela deve ser paga. Mas é possível priorizar quais devem ser pagas primeiro, justamente por causa dos juros.

Se uma dívida é mais recente, mas os juros são mais altos, ela deve ser paga primeiro. Tenha em mente que os juros podem ser um grande complicador na hora de reorganizar a sua vida financeira.

Cheque o fluxo de caixa familiar e faça uma lista das dívidas em ordem de prioridade e, no tempo que for possível para o seu bolso, vá eliminando-as uma a uma.

Renegocie

Você pode não saber, mas muitas instituições financeiras estão de portas abertas para fazer uma renegociação das dívidas. Não tenha vergonha da sua situação, vá ao encontro do banco, faça uma proposta ou escute as oportunidades que eles têm para você.

Se as condições oferecidas vão facilitar o seu orçamento, siga em frente, faça a renegociação e comece a aliviar o endividamento familiar.

Renegocie com o Santander

Confira as soluções Santander que podem ajudar você a ganhar um respiro com as contas, são condições que nenhum outro banco oferece.

Conclusão

O endividamento das famílias cresceu na pandemia da Covid-19 e são em crises assim que percebemos a real importância de ter o controle dos gastos, sempre. Se você se encontra com dívidas ou inadimplente, comece montando um planejamento financeiro familiar e siga as nossas dicas.


*Todo conteúdo desta publicação foi tirado das fontes aqui informadas. Esse blog possui caráter informativo, não representando a opinião, recomendação ou posicionamento formal do Santander ou das empresas de seu conglomerado.

Fonte: Banco Central do Brasil e CNN.