Atualizado em 07-03-2022

por Equipe Santander

O termo inflação voltou aos noticiários durante a pandemia da Covid-19 e muitos brasileiros estão se perguntando o que isso significa e qual o impacto no nosso cotidiano. Você sabe quanto está a inflação no Brasil hoje?  Qual a causa?

Vamos responder essas e muitas outras perguntas neste artigo para que você entenda como a inflação funciona e esteja preparado para enfrentar situações em que a ela saia do controle.

O que é inflação?

A inflação é um conceito econômico para apontar um aumento contínuo e generalizado dos preços de bens e serviços de um país.

Para facilitar o entendimento, vamos dar um exemplo: suponha que o preço da carne vermelha aumentou nos últimos três meses. Isso quer dizer que houve inflação no valor da carne. Esse aumento, na maioria das vezes, é representado por porcentagens para indicar a variação nos preços. Ah, o índice de inflação é feito com base em todos os produtos, ou seja, é uma média no preço dos itens que estão sendo analisados.

Você pode estar se perguntando “ah, e se o preço cair?”. O fenômeno da baixa de preços é chamado de deflação e pode acontecer em algum tipo de crise econômica, quando os consumidores compram menos e forçam as empresas a reduzirem os preços.

O que causa a inflação?

O índice de inflação pode variar por conta de diferentes fatores. Um dos principais motivos é a lei da oferta e da procura, isto é, se muitos consumidores se interessarem por um produto, é provável que aconteça um aumento de preço. Se houver uma grande queda na disponibilidade do produto no mercado, a inflação também pode aparecer.

O aumento dos custos de produção é outra razão que eleva os preços, afinal, o empresário vai optar por repassar esse aumento ao consumidor para manter sua margem de lucro.

Há um fator que pode aumentar o índice de inflação, mas a longo prazo: a taxa de juros. Os juros encarecem o crédito, as empresas precisam de mais dinheiro para quitar as dívidas e isso pode ocasionar um aumento no preço do produto final.

Por último, há o aumento da emissão de papel-moeda por parte do governo.  Acredita-se que o aumento de dinheiro em circulação sem o aumento da produtividade ocasiona na perda do poder de compra, ou seja, no aumento da inflação.

Em qualquer desses cenários, a inflação é problemática, pois provoca incertezas na economia, entre os investidores, que ficam receosos de injetar dinheiro em determinado país, e isso prejudica o crescimento econômico.

Impacto da inflação na vida das pessoas

Você pode imaginar que se a inflação sair do controle, o resultado pode ser bastante prejudicial para um país, afinal, é um fator que consegue abalar toda a economia.

Os mais prejudicados, com certeza, serão as pessoas com menor poder aquisitivo, justamente por enxergar o seu poder de compra reduzido. Com menos dinheiro circulando no mercado, o consumo também diminuirá e assim as empresas serão afetadas, vendendo cada vez menos. As dívidas começam a aparecer, assim como as demissões e rapidamente aparece o desemprego.

Se a sua empresa adquiriu alguma dívida nos últimos meses, confira o nosso artigo com dicas para sair do endividamento.

Outra consequência é muito sentida por quem está inserido no mundo dos investimentos, pois o rendimento real de uma aplicação só é obtido após o desconto da inflação. Por exemplo, se um investimento seu teve retorno de 10% no último ano e a inflação neste mesmo período foi de 5%, a sua rentabilidade real foi de 5%.

Inclusive, em momento de alta na inflação, é importantíssimo ter seus investimentos ao lado de um banco sólido, que transmita segurança e cuide do seu dinheiro de uma maneira rentável. Para conseguir isso, é preciso investir essa parte do dinheiro em alguns ativos específicos.

Abra uma conta Santander

Como calcular a inflação?

Aqui no Brasil, o Governo Federal utiliza o índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para calcular a inflação. Além disso, o IPCA serve de referência para a delimitação de metas e alterações na taxa de juros.

O índice mostra a variação do custo de vida de famílias com renda mensal de 1 e 40 salários-mínimos. Se ele sobe, está mais caro viver no Brasil. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) é o responsável realizar esse cálculo e funciona assim: a cada mês, o IBGE faz um levantamento em 13 áreas urbanas do País, de, aproximadamente, 430 mil preços em 30 mil locais.

Em seguida, todos os preços são comparados com o mês anterior e, assim, encontra-se a porcentagem da inflação. Para se ter ideia, em 2021, a inflação no Brasil foi de 10,06%.

Conclusão

Com o aumento da inflação, é hora de repensar alguns hábitos de consumo. Pense nos produtos que apresentaram mais aumento dos preços e pense em como pode economizar. Por exemplo, se o valor da energia elétrica elevou descontroladamente, pense em não utilizar o ar-condicionado nos dias da semana ou cortar o chuveiro elétrico. Essa economia fará a diferença no fim de cada mês.

Além da economia necessária, é possível investir em determinados ativos, como os títulos públicos. Se você ainda não sabe em qual produto investir, veja as principais soluções de investimentos para os tempos de inflação e para todos os outros com o Santander.


*Todo conteúdo desta publicação foi tirado das fontes aqui informadas. Esse blog possui caráter informativo, não representando a opinião, recomendação ou posicionamento formal do Santander ou das empresas de seu conglomerado.

Fonte: Coopnore e CNN