Atualizado em Fri Jan 19 17:19:22 GMT-03:00 2024

por Equipe Santander

c. concepts / client-service/Bank and Counter/simple credit Copy 11

Acessibilidade

c. concepts / client-service/Bank and Counter/simple credit Copy 12
Aumento de espessura do texto Aa
Preto e amarelo - tema para daltônicos (WCAG 16:44:1)
Preto e branco - tema para daltônicos (WCAG 21:1)
c. concepts / client-service/Bank and Counter/simple credit Copy 11

Modo escuro

0:00

 / 

0:00
Na imagem, há uma ilustração da uma garota sentada em uma pilha de moedas de ouro. Ela está utilizando um laptop, no seu colo. Atrás dela, um grande monitor. No topo da imagem, a frase: tudo sobre IPCA.

O IPCA, Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, é uma das siglas mais presentes nas discussões econômicas no Brasil. Certamente, você já deve ter ouvido falar nele ou pelo escutou essa sigla sendo falada na TV pelo menos uma vez. Afinal, o que é esse índice? Ele influencia em algo na vida cotidiana?

Para compreendermos o impacto do IPCA em nossa vida e na economia, precisamos desvendar seu significado, cálculo e relevância em 2024. Vamos abordar essas questões de maneira abrangente.

O que é o IPCA?

O IPCA é um índice criado lá no fim da década de 70 para medir a variação dos preços de um conjunto de produtos e serviços consumidos pelas famílias brasileiras com renda entre 1 e 40 salários-mínimos. É fundamental saber que essa cesta de itens abrange despesas com alimentação, habitação, transportes, saúde, educação, entre outros.

O que compõe a cesta do IPCA?

Essa cesta é dividida em nove grupos, cada um com respectivo peso na composição do índice. A seguir, detalharemos cada um desses grupos:

1. Alimentação e Bebidas 
Este grupo inclui alimentos consumidos em casa (arroz, feijão, carnes, frutas, legumes, etc.) e fora de casa (restaurantes, lanchonetes, etc.). Os preços desses itens são coletados mensalmente para calcular a variação.

2. Habitação
Gastos relacionados à moradia, como aluguel, condomínio, água, energia elétrica, gás de cozinha, entre outros, compõem este grupo.

3. Artigos de Residência
Inclui produtos para o lar, como eletrodomésticos, utensílios domésticos, mobiliário etc.

4. Vestuário
Este grupo contempla roupas, calçados, acessórios e serviços relacionados à vestimenta.

5. Transportes
Despesas com transporte público, combustíveis, veículos, seguro, entre outros, fazem parte desse grupo.

6. Saúde e Cuidados Pessoais
Inclui serviços médicos, planos de saúde, medicamentos, produtos de higiene pessoal, entre outros.

7. Despesas Pessoais
Este grupo abrange serviços diversos, como cabeleireiro, manicure, empregados domésticos, entre outros.

8. Educação
Inclui mensalidades escolares, material escolar, cursos, entre outros gastos relacionados à educação.

9. Comunicação
Gastos com comunicação, como telefonia fixa e móvel, internet, correios, entre outros, são contemplados neste grupo.

A soma dos pesos resulta no índice geral do IPCA, refletindo o padrão de consumo da população. Mas cada família possui sua própria cesta de consumo. Por isso, a importância de cada despesa pode ser diferente de família para família.

Específico, hein? Mas você vai entender a razão dessa matemática toda.

Como se proteger da inflação?

Investir é crucial para se proteger da inflação, pois essa é a principal causadora da perda do poder de compra do seu dinheiro ao longo de tempo. Quando os preços aumentam, o valor real dos ativos diminui.

Assim, é interessante investir em ativos que historicamente superam a inflação, como títulos indexados à inflação, por exemplo. Além disso, diversificar os ativos reduz a vulnerabilidade aos impactos negativos da inflação em setores específicos.

Ao construir um portfólio equilibrado, a ideia é alinhar seus objetivos financeiros e a tolerância ao risco, para se proteger da inflação e promover a valorização dos seus investimentos.

Se você quer saber onde investir, veja os 3 investimentos para render acima da inflação.

Investir com o Santander

Como funciona e para que serve o IPCA?

Inflação é o aumento dos preços de bens e serviços, que por sua vez, implica na diminuição do poder de compra da moeda. A inflação é medida pelos índices de preços. O Brasil tem vários índices de preços. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) é o índice utilizado no sistema de metas para a inflação do Brasil.

O IPCA é calculado pelo IBGE, coletando dados mensais sobre preços. Sua importância inclui medir a inflação, reajustes contratuais, orientar a política monetária, planejamento empresarial e decisões de consumo.

O IPCA desempenha um papel crucial na economia brasileira, influenciando diversas áreas. Entre suas principais funções, destacam-se:

Medição da inflação: o IPCA é a principal referência para medir a inflação no país, mas existem outros indicadores. Entretanto, governos, empresas e investidores, em sua maioria, utilizam o IPCA para avaliar o poder de compra da moeda e tomar decisões estratégicas.

Reajustes contratuais: muitos contratos, como aluguéis e financiamentos, têm cláusulas de reajuste vinculadas ao IPCA. Isso garante que os envolvidos possam ajustar os valores de acordo com a variação dos preços.

Política monetária: o Banco Central do Brasil utiliza o IPCA como referência para estabelecer metas de inflação. Essas metas orientam as decisões de política monetária, como a definição da taxa básica de juros (Selic), buscando manter a estabilidade econômica.

Planejamento empresarial: empresas utilizam as informações do IPCA para ajustar estratégias de precificação, prever custos e entender a dinâmica do mercado. O índice é uma ferramenta valiosa para o planejamento financeiro e estratégico das organizações.

Tomada de decisões de consumo: se você, por exemplo, é o responsável por fazer a feira de comida na sua casa, é possível acompanhar o IPCA para entender como a inflação afeta o poder de compra do seu salário. O índice fornece ideias sobre quais setores estão experienciando aumentos de preços mais significativos, auxiliando assim as suas decisões do que comprar ou não durante aquela semana ou mês.

Avaliação do desempenho econômico de um país: os governos, analistas econômicos e investidores acompanham de perto o IPCA para avaliar o desempenho econômico do país. Uma inflação estável é geralmente associada a um ambiente econômico saudável, enquanto inflação alta ou uma deflação pode indicar problemas econômicos. É por isso que o IPCA está sempre na pauta econômica da semana.

Projeções econômicas: a meta do IPCA é definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) por 3 anos à frente, e deve ser perseguida pelo Banco Central do Brasil. O Banco Central analisa o mercado e faz projeções para identificar como deverá conduzir a sua política monetário para que a meta estabelecida CMN seja alcançada, margem de tolerância. Essas projeções são acompanhadas pelo mercado para tomada de decisão sobre investimentos, políticas públicas e fiscais, além de planejamento das empresas privadas, visto que a inflação impacta diretamente no custo de vida e de negócios.

Como é calculado o IPCA?

O cálculo do IPCA é realizado por meio de uma média ponderada. A fórmula básica consiste em somar os preços dos produtos e serviços ponderados em um determinado período, dividir pelo total de itens e, por fim, multiplicar por 100.

O resultado é um índice percentual que reflete a variação média de preços para o consumidor final. Esse indicador é vital para a análise da saúde econômica do país, pois permite avaliar se os preços estão aumentando ou diminuindo, de modo benigno, ao longo do tempo, ou seja, dentro da meta de inflação estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional.

O que faz a inflação aumentar ou baixar?

A inflação, que é o aumento generalizado e sustentado no nível de preços de bens e serviços em uma economia ao longo do tempo, pode ser influenciada por uma variedade de fatores. Tanto a alta quanto a baixa da inflação são impulsionadas por condições econômicas, políticas e estruturais. Aqui estão alguns dos principais fatores que podem fazer a inflação subir e cair:

Fatores que podem fazer a inflação subir:

1. Demanda agregada elevada

Quando a demanda por bens e serviços supera a capacidade de produção da economia, os preços tendem a subir. Isso pode ocorrer em períodos de expansão econômica, quando o consumo das famílias e os investimentos empresariais estão em alta.

2. Custos de produção

Aumentos nos custos de produção, como salários e matérias-primas, podem levar as empresas a repassar esses custos para os preços dos produtos. Esse repasse de custos para os consumidores contribui para a elevação da inflação.

3. Política monetária

Se o banco central de um país optar por reduzindo as taxas de juros e injetar dinheiro na economia, isso pode estimular o consumo e os investimentos, mas também pode contribuir para a alta da inflação.

4. Pressões cambiais

Uma desvalorização da moeda local pode aumentar os preços dos bens importados, contribuindo para a elevação da inflação. Isso ocorre porque os produtos estrangeiros se tornam mais caros quando a moeda local perde valor em relação a outras moedas.

5. Choques de oferta

Eventos inesperados, como desastres naturais, conflitos geopolíticos ou interrupções na cadeia de suprimentos, podem afetar a oferta de bens e serviços, resultando em pressões inflacionárias.

Fatores que podem fazer a inflação cair:

1. Baixa Demanda Agregada

Em períodos de recessão econômica, a demanda por bens e serviços diminui, levando a uma redução nos preços. A falta de pressão da demanda contribui para a queda da inflação.

2. Política monetária

A política de um país pode causar tanto a alta como a baixa da inflação. Com aumento das taxas de juros e redução da oferta de dinheiro, pode desacelerar a atividade econômica, diminuindo a demanda e, consequentemente, a pressão inflacionária.

3. Estabilidade nos custos de produção

Se os custos de produção se mantiverem estáveis ou diminuírem, as empresas podem não ter a necessidade de repassar aumentos de custos para os preços dos produtos, contribuindo para a moderação da inflação.

4. Valorização do Real

Uma valorização do real pode reduzir os custos dos bens importados, contribuindo para a diminuição dos preços, pois os produtos estrangeiros se tornam mais acessíveis quando a moeda local ganha valor em relação a outras moedas.

É importante notar que a dinâmica inflacionária é complexa e muitas vezes influenciada por uma combinação de fatores. O objetivo dos bancos centrais, dos governos e autoridades econômicas geralmente é o equilíbrio da inflação para garantir a estabilidade econômica.

O IPCA hoje e sua relevância em 2024

Após mais de 40 anos de sua criação, o IPCA continua sendo um indicador de grande importância, influenciando as expectativas econômicas e as estratégias de diversos setores. A análise do IPCA hoje envolve não apenas o acompanhamento mensal da inflação, mas também a compreensão do acumulado ao longo do ano.

O acumulado é uma métrica crucial para entender a trajetória da inflação ao longo do ano. Se o índice apresenta um acumulado elevado, isso pode indicar pressões inflacionárias que demandam atenção por parte das autoridades econômicas. Por outro lado, um IPCA acumulado dentro das metas estabelecidas reflete uma situação mais controlada e propícia para o desenvolvimento econômico.

O IPCA e o IGP-M: tem diferença?

É comum que o IPCA seja mencionado em conjunto com o IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado), outro indicador econômico relevante no Brasil. Enquanto o IPCA foca nos preços ao consumidor final, o IGPM engloba os preços no atacado e no varejo, além de contemplar a variação de preços de produtos e serviços utilizados na construção civil.

Ambos os índices são fundamentais para uma visão abrangente da economia, permitindo uma compreensão mais completa das pressões inflacionárias em diferentes setores.

Quer saber mais sobre o IGPM? A gente te conta tudo aqui.

 

 

Avalie esse artigo