Atualizado em 21-03-2024

por Equipe Santander

c. concepts / client-service/Bank and Counter/simple credit Copy 11

Acessibilidade

c. concepts / client-service/Bank and Counter/simple credit Copy 12
Aumentar espessura do texto Aa
Preto e amarelo - tema para daltônicos (WCAG 16:44:1)
Preto e branco - tema para daltônicos (WCAG 21:1)
c. concepts / client-service/Bank and Counter/simple credit Copy 11

Modo escuro

0:00

 / 

0:00
No lado esquerdo, a ilustração de uma mão segurando uma nota de dinheiro. No lado direito, a frase: o que é o tesouro IPCA+?

Quando se toma a decisão de começar a investir, um dos primeiros desafios é entender o seu perfil de investidor, entender a sua propensão ao risco e entender o funcionamento de cada tipo de investimento. Afinal, são inúmeras as opções disponíveis hoje no mercado.

Só no Tesouro Nacional, há um grande leque de oportunidades: prefixado, pós-fixado, Tesouro Selic e IPCA+, só para citar alguns exemplos.

Este último, é um título público que oferece uma combinação única de segurança e rentabilidade. No texto a seguir, vamos entender como funciona o IPCA+, comparando-o com outras opções e explorando suas vantagens e pontos de atenção.

O que é o Tesouro IPCA+?

Investir dinheiro é uma estratégia inteligente para construir patrimônio ao longo do tempo. Em um cenário de incertezas econômicas, a busca por investimentos sólidos e com retorno consistente é mais importante do que nunca. Uma opção que tem ganhado destaque e despertado o interesse de investidores é o Tesouro IPCA+.

O Tesouro IPCA+ é uma categoria de título público oferecido pelo Tesouro Nacional. A sigla IPCA refere-se ao Índice de Preços ao Consumidor Amplo, que serve como indexador para a rentabilidade do título. O IPCA é um índice calculado pelo IBGE utilizado para medir a inflação, pois ele é gerado comparando o preço médio atual de alguns bens de consumo e serviços do Brasil com períodos anteriores.

Ao contrário de outros títulos, como o Tesouro Selic, que segue a taxa básica de juros (Selic), o Tesouro IPCA+ vincula sua rentabilidade à inflação. Essa característica oferece uma proteção valiosa contra a perda do poder de compra ao longo dos anos.

Como funciona o Tesouro IPCA+ no universo de investimentos?

Ao investir nesse título, o indivíduo está, essencialmente, emprestando dinheiro ao governo. Em troca, o governo se compromete a reembolsar o valor corrigido pela variação do IPCA, acrescido de uma taxa prefixada. Essa combinação proporciona uma remuneração real, ou seja, acima da inflação, defendendo o investidor contra a perda do poder de compra ao longo do tempo.

A remuneração do Tesouro IPCA+ é composta por duas partes: a variação do IPCA e uma taxa de juros prefixada, definida no momento da compra do título. Esse modelo único torna o investimento atrativo, especialmente em períodos de inflação elevada, pois o rendimento se ajusta às oscilações nos preços.

Comparação do IPCA+ com outros investimentos

Para aprofundar nossa compreensão sobre as características do Tesouro IPCA+, é instrutivo compará-lo com outras opções de investimento disponíveis no mercado.

1 - Tesouro Selic: enquanto o Tesouro IPCA+ está vinculado à inflação, o Tesouro Selic segue a taxa básica de juros. Por ter maior facilidade de liquidação antecipadamente, o Tesouro Selic é mais indicado para construção de reserva de emergência.

2CDB (Certificado de Depósito Bancário): os CDBs são títulos emitidos por bancos, e sua rentabilidade pode ser prefixada ou atrelada a indicadores como o CDI (Certificado de Depósito Interbancário). O Tesouro IPCA+ é geralmente considerado mais seguro, uma vez que é emitido pelo governo.

3 - Ações: investir em ações oferece a oportunidade de ganhos expressivos, mas também está associado a uma maior volatilidade e risco. O Tesouro IPCA+ é visto como um investimento mais conservador.

Quais as vantagens do Tesouro IPCA+?

- Proteção contra a inflação: a principal vantagem do Tesouro IPCA+ é sua capacidade de proteger contra a perda de poder de compra, uma vez que sua rentabilidade está vinculada ao IPCA.

- Segurança: emitido pelo governo federal, o Tesouro IPCA+ é considerado um investimento de baixo risco, especialmente quando comparado a ativos de renda variável.

- Acessibilidade: o Tesouro IPCA+ tem uma aplicação inicial relativamente baixa, tornando-o acessível para investidores com diferentes perfis.

Pontos de atenção ao investir no IPCA+

- Volatilidade nos Preços: apesar de ser considerado seguro, os preços dos títulos públicos, incluindo o Tesouro IPCA+, podem sofrer variações no mercado secundário, impactando o valor de mercado do investimento antes do vencimento.

- Prazo de Resgate: o Tesouro IPCA+ tem um prazo de vencimento, e resgatá-lo antes do término pode resultar em ganhos ou perdas, dependendo das condições do mercado.

- Imposto de Renda: sobre os rendimentos do Tesouro IPCA+, incide Imposto de Renda, variando conforme o tempo de aplicação. Conhecer essa tributação é fundamental ao planejar seus investimentos.

Tesouro IPCA+ como parte de uma carteira diversificada

Em resumo, o Tesouro IPCA+ representa uma excelente opção para quem busca um investimento seguro e capaz de preservar o poder de compra ao longo do tempo. Contudo, como em qualquer estratégia de investimento, a diversificação é fundamental. Combinar o Tesouro IPCA+ com outros ativos, como ações e fundos de investimento, pode ajudar a equilibrar riscos e potencializar ganhos.

Ao explorar o universo de investimentos, é crucial compreender as características de cada opção, considerar o perfil do investidor e manter-se atualizado sobre as condições de mercado.

O Tesouro IPCA+ se destaca como uma alternativa sólida, mas a construção de uma carteira bem estruturada requer uma abordagem abrangente e estratégica. Investir sabiamente é a chave para alcançar os objetivos financeiros com consistência.

O que são investimentos?

Investimentos referem-se à alocação de recursos financeiros em ativos ou instrumentos com o objetivo de obter retorno futuro. A motivação por trás dos investimentos geralmente envolve o desejo de fazer com que o dinheiro trabalhe e cresça ao longo do tempo.

Os investidores buscam maximizar ganhos, proteger seu patrimônio da inflação e alcançar metas financeiras específicas, como a aposentadoria, aquisição de imóveis, educação dos filhos, entre outros.

Existem diversas formas de investir, e os ativos nos quais se pode investir variam amplamente. Abaixo estão alguns dos tipos mais comuns de investimentos:

Renda Fixa: inclui investimentos em títulos como Certificados de Depósito Bancário (CDBs), Tesouro Direto, Letras de Crédito (LCIs e LCAs) e debêntures. Esses investimentos geralmente oferecem retornos previsíveis ao longo do tempo, com menor risco em comparação a alguns outros tipos de investimentos.

Renda Variável: envolve investimentos em ativos cujo retorno não é previsível e pode variar. As ações de empresas, por exemplo, são consideradas renda variável, pois seus preços podem flutuar de acordo com as condições do mercado.

Fundos de Investimento: são veículos de investimento coletivo, onde os recursos de vários investidores são combinados e gerenciados por um gestor de fundos. Podem investir em uma variedade de ativos, como ações, títulos, imóveis, entre outros.

Imóveis: investir em propriedades, seja adquirindo imóveis físicos ou por meio de fundos imobiliários, é uma opção que oferece potencial de valorização ao longo do tempo e, em alguns casos, geração de renda por meio de aluguel.

Empreendedorismo: investir em um negócio próprio ou participar como investidor em startups é uma forma de alocar recursos em busca de retorno, embora essa opção geralmente envolva maior risco e envolvimento ativo.

Metais preciosos e commodities: investir em ouro, prata e outras commodities é uma estratégia usada para diversificar a carteira e proteger contra a inflação.

A escolha entre diferentes tipos de investimentos depende dos objetivos financeiros, horizonte de tempo, tolerância ao risco e conhecimento do investidor. É crucial entender os riscos associados a cada tipo de investimento e diversificar a carteira para mitigar possíveis perdas.

Além disso, o mercado financeiro é dinâmico, sujeito a mudanças econômicas, políticas e sociais. Portanto, é importante que os investidores estejam atentos às condições do mercado e ajustem suas estratégias conforme necessário. Diversificar os investimentos e manter uma abordagem de longo prazo são princípios fundamentais para construir uma carteira sólida e alcançar os objetivos financeiros ao longo do tempo.

É preciso de uma corretora para investir?

Sim, na maioria dos casos, é necessário utilizar os serviços de uma corretora para investir. As corretoras são intermediários financeiros que facilitam a compra e venda de ativos no mercado financeiro.

Elas desempenham um papel fundamental ao conectar investidores ao ambiente de negociação, permitindo que os mesmos realizem transações com diferentes tipos de ativos, como ações, títulos, fundos, entre outros.

Quais as vantagens de uma corretora?

1 - As corretoras proporcionam aos investidores acesso aos mercados financeiros. Sem uma corretora, seria difícil para um investidor individual negociar diretamente na bolsa de valores ou em outros mercados financeiros. Além disso, são responsáveis pelas ordens de compra e venda de um ativo.

2 - As corretoras geralmente oferecem serviços de custódia, mantendo os ativos do investidor de forma segura. Isso é especialmente importante para ativos eletrônicos, como ações e títulos, que são registrados eletronicamente em nome do investidor.

3 - As vantagens não param por aí. As corretoras fornecem análises de mercado, pesquisas, relatórios e outras informações que podem ajudar os investidores a tomar decisões informadas sobre seus investimentos.

4 - As plataformas online tornam o processo de investir mais acessível e fácil. Os investidores podem monitorar suas carteiras, realizar transações e acessar informações relevantes por meio dessas plataformas. Com isso, os investidores podem acessar uma ampla gama de ativos e produtos financeiros, permitindo a diversificação de suas carteiras para reduzir riscos.

5 - Por último, um ponto fundamental: segurança. As empresas regulamentadas estão sujeitas a padrões de segurança e práticas comerciais definidos pelos órgãos reguladores financeiros. Isso proporciona uma camada adicional de segurança para os investidores.

Ao escolher uma corretora, é importante considerar fatores como taxas de corretagem, custódia, facilidade de uso da plataforma, variedade de produtos oferecidos, além da reputação e confiabilidade da corretora. Muitas corretoras oferecem contas de demonstração, permitindo que os investidores testem a plataforma antes de decidirem investir dinheiro real.

Portanto, embora seja possível encontrar algumas opções de investimento direto, como títulos do Tesouro Direto, sem o intermédio de uma corretora, na maioria dos casos, a utilização de uma corretora é a maneira mais prática e eficiente de realizar investimentos no mercado financeiro.

Investir com o Santander

Avalie esse artigo