Atualizado em Fri Jul 15 20:01:03 GMT-03:00 2022

por Equipe Santander

Desde o início da pandemia, a economia brasileira convive com uma instabilidade muito grande, principalmente com o aumento do dólar e a desvalorização da nossa moeda, ocasionando o aumento da inflação. Com isso, o poder de compra vem acompanhando essa queda econômica.

Isso torna ainda mais difícil para aqueles que estão aposentados e dependem da previdência social, por isso, o número de buscas por uma previdência privada tem aumentado cada dia mais. Porém, a decisão de escolher a modalidade não é tão simples quanto parece e exige um planejamento estruturado.

Para entender melhor, preparamos este artigo que irá explicar para você como funciona a opção da previdência privada conhecida como VGBL (Vida Gerador de Benefícios Livre), quais as principais diferenças entre a previdência privada e a social, além de mostrar quais as principais vantagens da VGBL e como contratar.

Continue a leitura e aproveite o conteúdo!

O que é o VGBL (Vida Gerador de Benefícios Livre)

A previdência privada é dividida entre duas modalidades, o PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) e o VGBL, sendo o segundo indicado para pessoas que fazem a entrega do Imposto de Renda no seu formato simplificado, enquanto o PGBL é indicado para aqueles que realizam a entrega completa.

De forma clara, o VGBL funciona como um seguro de vida, possuindo também uma cobertura de sobrevivência, por isso não é considerado um plano de sobrevivência complementar. Além disso, essa opção e a PGBL são produtos oferecidos como um investimento para o futuro, sendo um complementar à sua previdência social, garantindo uma vida melhor.

Quando comparado com outros investimentos, como renda fixa, sendo LCI, LCA, Tesouro Direto ou até mesmo o CDB, a opção do VGBL poderá ser menos rentável, justamente por conta dos fatores citados.

Quais as diferenças entre o VGBL e PGBL?

A principal diferença entre as categorias é o formato em que o Imposto de Renda incide sobre os valores. O PGBL é sobre o valor total que consta no investimento, ou seja, se você possui 50 mil no momento do resgate, o valor será descontado sobre ele.

Já o VGBL é o contrário, o Imposto de Renda incide sobre o retorno que o investimento lhe trouxe, por tanto se você tiver 50 mil, mas o lucro que você obteve foi de 25 mil, o imposto será sobre esse valor. Além disso, o VGBL é considerado como um seguro pessoal, enquanto o PGBL funciona como uma previdência complementar.

Além disso, também é possível no PGBL a dedução do valor pago da base de cálculo do imposto de renda, desde que o valor não ultrapasse 12% de sua renda bruta anual, o que não ocorre no VGBL.

As tributações e taxas do plano

Para esse plano, existem três taxas que estão inclusas no momento da contratação: a taxa de administração, de carregamento e o imposto de renda, sendo que as duas primeiras serão pagas à instituição em que você realizou a contratação.

A taxa de administração nada mais é que o valor pago à operadora que opera sobre o seu investimento. Esse valor é pago anualmente por meio de um percentual que incide sobre o valor de aplicação.

Já a taxa de carregamento incidirá sobre cada contribuição que for realizada, ou seja, toda vez que você realizar um débito na sua conta do investimento em VGBL.

Por último, o imposto de renda, que será cobrado ao final do contrato de investimento, além de ser baseado no valor da tabela regressiva ou progressiva, sendo você o responsável por escolher qual o seu plano estará baseado.

Para entender melhor, a tabela regressiva funciona da seguinte forma, quanto mais tempo o seu dinheiro for aplicado na sua conta, mais as alíquotas irão diminuir. Os anos e porcentagens você pode acompanhar a seguir:

  • Até 2 anos: 35%.

  • De 2 a 4 anos: 30%.

  • De 4 a 6 anos: 25%.

  • De 6 a 8 anos: 20%.

  • De 8 a 10 anos: 15%.

  • Acima de 10 anos: 10%.

Já a tabela progressiva será o inverso da anterior. Ela não está ligada diretamente ao tempo de investimento, mas sim a quantia anual investida, tendo suas alíquotas aumentando cada vez mais. Veja o exemplo:

Até R$ 22.847,76 no fim de um ano: isento de Imposto de Renda.

De R$ 22.847,76 até, R$ 33.919,80: 7,5%.

De R$ 33.919,92 até R$ 45.012,60: 15%.

De R$ 45.012,72 até R$ 55.976,16: 22,5%.

Acima de R$ 55.976,16: 27,5%.

Vantagens do plano VGBL

Primeiramente, é importante ressaltar que as vantagens que serão apresentadas são de forma genérica, pois são muitos fatores que influenciam na hora da contratação.

O primeiro ponto a ser citado é o fato de você ter a liberdade de determinar quem serão as pessoas que receberão o dinheiro do plano em caso de morte. Isso porque o processo de partilha de bens pertencentes ao inventário é um processo judicial que pode levar anos para ser concluído (caso surjam disputas entre os herdeiros) e envolve honorários advocatícios. No VGBL, os fundos geralmente são recebidos mais rapidamente.

Outro fator importante é que para a transmissão dos bens incluídos, é cobrado uma taxa com imposto conhecido como ITCMD (Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doações), sendo um imposto estadual e as alíquotas variam entre a unidade de federação. No caso do plano VGBL essa taxa é isenta.

É possível mencionar também a possibilidade de realizar o investimento independentemente da idade, desde uma criança que esteja até mesmo alguém que esteja pensando em garantir uma herança para os parentes próximos.

Além disso, existe a possibilidade da contratação do seguro de vida, mas sendo opcional para o cliente. Outro ponto é que o plano não tem garantia de remuneração mínima, sendo o benefício baseado na remuneração da carteira de investimento do FIF (Fundo de Investimento Financeiro).

Como contratar a previdência privada VGBL

Para realizar a contratação é muito simples e listamos em tópicos para ajudar você a escolher o melhor plano e operadora para administrar o seu investimento.

  1.Defina o plano ideal para você

Quando realizado a pesquisa e o planejamento financeiro, você poderá escolher qual dos planos fará mais sentido para você. Tendo as opções de VGBL e PGBL disponíveis, é preciso analisar com calma antes de bater o martelo para seguir com a contratação final do investimento.

  2.Escolha a melhor operadora

É importante analisar as operadoras disponíveis no mercado e fazer as comparações entre elas, como valores das taxas, juros e outras condições que são destaques no mercado e façam sentido para você. A Previdência Santander é a primeira do mercado em que você paga zero taxa para investir e zero taxa para resgatar o seu dinheiro. Para todos os clientes, sem exceção.

 Contrate sua Previdência Santander

 

  3.Analise as taxas oferecidas

As taxas de administração podem ter um grande impacto na lucratividade de um plano. Evite taxas muito altas. As taxas podem ou não ser cobradas - se houver isenção, você ganha.

  4.Selecione a tabela de tributação

Outra escolha a ser feita na hora de contratar um plano de previdência privada é o formulário fiscal. Um dos principais fatores a considerar é o período de investimento. Se você quiser um valor de resgate único, uma tabela de regressão seria mais apropriada.

No entanto, se você planeja receber um pagamento mensal durante a aposentadoria, um formulário de imposto progressivo fará mais sentido.

Sabendo das condições e diferenças entre os planos oferecidos pela previdência privada, é o momento de você analisar com calma e definir os investimentos que serão feitos para o seu futuro, tendo a possibilidade de garantir uma vida melhor para você e sua família.

Com a previdência privada do Santander, você garante melhor qualidade de vida com zero taxa para investir e zero taxa para resgatar o seu dinheiro, para você e sua família. Venha conferir as condições.

 
Contrate um plano de Previdência