Atualizado em Fri Apr 01 14:03:42 GMT-03:00 2022

por Equipe Santander

É comum ver empreendedores misturando os gastos pessoais com os empresariais, afinal, o dono do negócio tem esse direito, não é mesmo? Não é bem assim! Já é consenso: pegar dinheiro do caixa para pagar contas pessoais não é uma boa prática, mesmo que o valor seja pequeno.

Esse tipo de atitude pode ser prejudicial para o faturamento e para o fluxo de caixa, aquela previsão mensal das entradas e saídas de dinheiro de um negócio.

Mas se existe o entendimento de que fazer isso não é legal para a saúde financeira da empresa, por que segue sendo uma ação tão comum entre os empresários? Por que é melhor separar as despesas? E qual a melhor maneira de realizar essa separação?

Como separar as contas pessoais das contas da empresa?

Muitas pessoas que estão dando os primeiros passos no universo do empreendedorismo acabam misturando as finanças pessoais com as finanças da empresa, principalmente se a movimentação de dinheiro não é muito grande. Isso acontece, na maioria dos casos, quando existe apenas um responsável pelo negócio com a crença de que será mais fácil gerenciar tudo com apenas uma conta. Como já dissemos, é um engano.

É possível fazer essa distinção em apenas três passos:

1. Tenha uma Conta Pessoa Jurídica

É fundamental separar os cartões de crédito, extratos e faturas. Por isso, não perca tempo e faça logo a sua conta PJ, uma conta bancária para empresas com aplicações úteis para os empresários, como a emissão de boleto de cobrança.

Uma conta PJ vai trazer muita organização para o negócio, além de abrir novas portas para as vendas. Você sabia que existem empresas no mercado que exigem uma conta PJ para pagar fornecedores ou contratar terceirizadas?

Abra a sua conta PJ

2. Defina o seu salário

O dinheiro que “sobra” no fim do mês, após o pagamento das despesas da empresa, não é tudo para o empresário. É necessário lembrar ainda na reserva de emergência, nos investimentos futuros, no capital de giro.

Para facilitar a conta, é importante que o empresário tenha também um salário estabelecido e não precise usar o dinheiro da empresa para as despesas pessoais. Todo mês, determinada quantia será sua, como qualquer outro gasto.

Se preferir, estabeleça metas e bônus para o seu salário, caso consiga atingir e superar os objetivos.

3. Reserva financeira empresarial

Se o negócio está passando por um momento complicado financeiramente, também não é interessante tirar dinheiro do bolso para suprir uma necessidade empresarial. Assim como na vida pessoal, o seu negócio precisa de uma reserva financeira, abastecida mensalmente, para resolver rapidamente qualquer imprevisto.

Uma reserva bem feita pode ser a diferença entre uma crise superada e a declaração de falência da sua empresa.

Mais vantagens de distinguir as finanças pessoais e as finanças da empresa

• Menor risco de dívidas

Com um fluxo de caixa organizado, será possível enxergar com precisão quanto entra e quanto sai todos os meses do seu negócio. Com esse conhecimento, o risco de endividamento diminui bastante.

• Possibilidade de crescimento

Com o fluxo de caixa em dia e sem dívidas no horizonte, você pode começar a pensar em crescer. E para expandir, é preciso ter finanças saudáveis e organizadas, algo que só se alcança com as contas empresariais bem dissociadas das suas despesas pessoais.

• Mais credibilidade na praça

Uma Conta Pessoa Jurídica transmite credibilidade por parte da empresa e isso faz toda a diferença para os clientes e fornecedores que estão realizando um pagamento. Explicamos aqui todos os benefícios de fazer uma conta CNPJ.