Atualizado em 05-04-2024

por Equipe Santander

c. concepts / client-service/Bank and Counter/simple credit Copy 11

Acessibilidade

c. concepts / client-service/Bank and Counter/simple credit Copy 12
Aumentar espessura do texto Aa
Preto e amarelo - tema para daltônicos (WCAG 16:44:1)
Preto e branco - tema para daltônicos (WCAG 21:1)
c. concepts / client-service/Bank and Counter/simple credit Copy 11

Modo escuro

0:00

 / 

0:00
Na imagem temos um texto à esquerda com a frase 'É real ou manipulado'. Já à direita, temos uma ilustração que representa uma mão segurando um celular com o rosto de uma mulher de cabelo roxo.

Nos tempos atuais, há um fato que não podemos contestar: quanto mais a tecnologia avança, mais questões de segurança precisam ser revistas para que as camadas de proteção sejam redobradas. Isso porque, assim como os recursos tecnológicos se expandem e ficam mais presentes no dia a dia, eles também podem ser aproveitados por pessoas mal-intencionadas.

Recentemente, um exemplo para esse caso é o chamado Deepfake. Por meio de inteligência artificial, criminosos utilizam essa tecnologia para manipular conteúdos e disseminar notícias falsas.

Você quer saber mais sobre essa técnica e como ela pode impactar no seu dia a dia? Então, fique por dentro de tudo sobre Deepfake a seguir e descubra como se proteger.

O que é a técnica de Deepfake?

Com o apoio da inteligência artificial, a técnica de Deepfake faz a manipulação de imagens, vídeos ou de áudio de pessoas diversas a fim de alterar o contexto em que a informação está sendo transmitida.

Essa tecnologia pode ser usada contra qualquer pessoa, mas principalmente com personalidades mais conhecidas pelo público. Por exemplo, usar a aparência de um político, mas aplicar a alteração de voz e sobrepor os lábios para aparecer que ele está dizendo outra coisa do que no vídeo original.

Por meio do Deepfake, as informações manipuladas e espalhadas na internet, como falsas notícias e pronunciamento de políticos, de celebridades, de influenciadores ou até de pessoas não públicas podem gerar um escândalo e servir até mesmo como armadilha para golpes.

Veja quais são as principais aplicações do Deepfake a seguir:

- Mudança da voz: pessoas mal-intencionadas conseguem criar áudios em que simulam a voz verdadeira de alguém para fazer com que a fala seja com as palavras que quiserem a fim de passar credibilidade;

 - Sobreposição dos lábios em um vídeo: também conhecido como “lip-sync”, é um modo de manipular um vídeo original ao aplicar outra movimentação labial da pessoa que está sendo mostrada para que simule que ela está dizendo outra coisa que não o que foi apresentado no material verdadeiro.

Neste contexto do Deepfake, o áudio também costuma ser sobreposto para ficar ainda mais real junto ao movimento dos lábios.

- Troca de rostos: conhecido como “face swap” quem usa essa técnica consegue criar conteúdos utilizando e manipulando a aparência de alguém.

Entenda como identificar o Deepfake e como se proteger

Como as aplicações do Deepfake são capazes de causar muita confusão com os vídeos, áudios e demais conteúdos manipulados com a inteligência artificial, passou a ser ainda mais essencial saber como reconhecer quando se trata de uma notícia falsa.

Por isso, não acredite em tudo o que está nas mídias e preste atenção aos pontos abaixo para saber identificar e reconhecer se algo que você está vendo ou ouvindo é verdadeiro ou não:

- Repare nos detalhes de conteúdos visuais, como o modo que a pessoa pisca, como é a ligação do rosto com o pescoço, se há desfoque em alguma característica da aparência e se a fala está sincronizada com o movimento da boca.

- Entenda o contexto e como está sendo divulgado. Isto é, se for algo relacionado a um tema polêmico, uma notícia alarmante ou a uma promoção milagrosa, entre outros assuntos, há chances de ter algo errado e ter sido manipulado para gerar mais impacto.

- Desconfie de quando a mensagem solicitar empréstimo de dinheiro, confirmação de códigos de autenticação ou a necessidade de compartilhar dados pessoais pois, por mais que se pareça com algum conhecido seu, pode ser um golpista utilizando Deepfake de pessoas próximas para ganhar sua confiança e te atrair ao golpe.

- Sempre confirme as informações que chegaram até você nestes contextos que exemplificamos com pessoas de sua confiança ou em veículos de mídia que tenham credibilidade e sejam oficiais.

- Tenha cuidado com o que você compartilha nas suas redes sociais pessoais, como fotos e vídeos que divulguem informações pessoais ou algo que não deveria ser exposto com desconhecidos.

- Se estiverem se passando pelo Santander, não forneça nenhum dado e lembre-se de que não pedimos códigos, senhas e não solicitamos pagamentos para realizar cancelamentos.

#DicaExtra: habilite o segundo fator de autenticação em todas as suas contas para ter ainda mais segurança.

O que fazer para reportar um golpe com Deepfake?

Depois de saber quais são os pontos que indicam quando um conteúdo se trata de um Deepfake, ficará mais viável identificar essa técnica e avisar quem for necessário sobre o golpe, não é mesmo?

Se você encontrar um vídeo ou áudio que sejam manipulados e estiver relacionado com o Santander, envie informações sobre o ocorrido para suspeita@santander.com.br. Assim, poderemos tomar as providências necessárias.

Mas, lembre-se: em qualquer contexto, seja envolvendo o Santander ou não, é importante avisar os seus conhecidos sobre ser algo falso, de forma que todos fiquem atentos para não serem vítimas.

E aí, quer saber mais dicas sobre segurança e sobre as nossas funcionalidades para proteger os seus dados?

Leia sobre segurança

Avalie esse artigo