Atualizado em 10-05-2024

por Equipe Santander

c. concepts / client-service/Bank and Counter/simple credit Copy 11

Acessibilidade

c. concepts / client-service/Bank and Counter/simple credit Copy 12
Aumentar espessura do texto A+
Aumento de espessura do texto Aa
Preto e amarelo - tema para daltônicos (WCAG 16:44:1)
Preto e branco - tema para daltônicos (WCAG 21:1)
c. concepts / client-service/Bank and Counter/simple credit Copy 11

Modo escuro

0:00

 / 

0:00
No lado esquerdo da imagem, a frase: entenda a bolsa de valores. No lado direito, ilustração de uma mão utilizando um celular. Na tela do celular é possível ver gráficos.

Para muitos, a ideia de investir na bolsa de valores pode parecer complexa e intimidadora. Mas não precisa ser. É verdade que a bolsa é um dos pilares do mundo financeiro, um ambiente onde milhares de investidores buscam por oportunidades para fazer crescer seu patrimônio. Porém, apesar de parecer complexo, seu funcionamento pode ser mais simples do que parece.

A bolsa é como um grande mercado onde são negociados diferentes ativos financeiros, como ações de empresas, títulos de renda fixa, entre outros. Ainda nesse texto, vamos falar sobre todos os tipos de investimentos que são negociados nela.

No entanto, entender o funcionamento deste ambiente financeiro é muito importante para tomar a decisão de investir nos ativos disponíveis nele.

A seguir, vamos explorar o que é a bolsa de valores, como ela funciona, quem a regula e alguns aspectos importantes sobre investimentos no contexto brasileiro.

O que é a Bolsa de Valores?

Em resumo, a bolsa de valores é o lugar onde investidores se reúnem para comprar e vender alguns tipos de ativos, em busca de lucro e proteção de capital.

É um ambiente onde empresas e governos conseguem captar recursos financeiros por meio da emissão de ações e títulos, enquanto investidores têm a oportunidade de aplicar seu dinheiro buscando rentabilidade.

Falando um pouco da história das bolsas aqui no Brasil, é importante saber que existiam duas principais e mais populares, a Bovespa e a Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros. Porém, em 2008 elas se uniram e formaram a BM&FBOVESPA e criaram uma única bolsa de valores no país. Um pouco depois, em 2017, ela passou a se chamar B3, consolidando ainda mais sua posição como a principal bolsa de valores brasileira.

Atualmente, a B3 desempenha um papel crucial no mercado financeiro brasileiro, facilitando a negociação de ações, títulos, commodities, derivativos e outros ativos, contribuindo, portanto, para o desenvolvimento econômico do país.

Como funciona a Bolsa de Valores?

A negociação na bolsa de valores ocorre de forma eletrônica e centralizada, por meio de uma plataforma que interliga investidores, corretoras e empresas listadas. Os investidores compram e vendem ativos conforme suas expectativas de valorização ou desvalorização, e os preços são determinados pela oferta e demanda desses ativos.

Quem regula a bolsa de valores?

No Brasil, a bolsa de valores é regulada e fiscalizada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), vinculada ao Ministério da Economia.

E o objetivo da CVM é proteger os investidores, promover o desenvolvimento do mercado de capitais e garantir a transparência e eficiência das operações realizadas na bolsa.

Como investir na Bolsa de Valores?

Investir na bolsa pode ser uma excelente maneira de fazer seu dinheiro trabalhar a seu favor e buscar retornos atrativos no longo prazo. E dá para começar com alguns passos importantes, mas simples:

1. Procure educação financeira

Antes de começar a investir, é fundamental estudar o assunto, entender como funciona o mercado de ações, os diferentes tipos de investimentos disponíveis, quais são os riscos envolvidos e quais as estratégias já consolidadas.

O lado positivo é que atualmente o que não falta são recursos educacionais, como livros, cursos online, vídeos, artigos e palestras para te ajudar a iniciar a caminhada neste universo.

2. Estabeleça seus objetivos

Definir os objetivos financeiros é outro passo que precisa ser dado. E lembre-se: saiba o que você quer para o curto, médio e longo prazo. Com essas metas na cabeça, será mais fácil tomar decisões de investimento, definindo estratégias adequadas para o seu momento de vida.

3. Abra uma conta em uma corretora

No Brasil, para investir na bolsa de valores, é obrigatório o uso de uma conta em uma corretora de valores. E a dica é sempre a mesma: pesquise diferentes opções no mercado, leve em consideração fatores como taxas de corretagem, a história e a credibilidade da corretora, facilidade de uso da plataforma, entre outros.

No Santander, por exemplo, você tem:

- Assessores e Traders prontos para te ajudar.

- Portifólio completo: opções de investimentos para todos os perfis.

- Experiência Digital: simples e intuitiva com o Portal de Investimentos.

4. Analise as empresas que deseja investir

Depois de aberta a conta na corretora, é possível que você deseje iniciar os investimentos de recursos em determinas empresas. Antes disso, realize uma análise financeira e avalie a saúde financeira do negócio, os desempenhos passados e as perspectivas de crescimento.

Esse é um processo demorado, mas você pode olhar indicadores como lucro líquido, receita, endividamento e margens de lucro.

5. Sempre ela: a diversificação

Diversificar é importantíssimo para reduzir o risco de perdas e proteger seu patrimônio. Praticamente em todos os conteúdos sobre investimentos, em algum momento, será falado sobre a diversificação e aqui não é diferente.  Ao investir na bolsa, diversifique seu portfólio e inclua diferentes tipos de ativos, setores e empresas.

6. Monitore os investimentos

Não basta alocar seus recursos e esperar pelo retorno financeiro. É preciso estar “em cima” dos ativos, entender o desempenho e fazer ajustes, se for necessário. É possível que a estratégia precise ser refeita durante o processo. Entenda as mudanças do mercado e suas circunstâncias pessoais.

7. Mantenha-se atualizado

O mercado de ações sofre alterações diariamente, pois envolve muitos fatores: política, clima, legislação, entre muitos outros. Ou seja, você precisa estar sempre por dentro das últimas notícias e tendências. Para ajudar com isso, você pode contar com um gestor de investimentos, por exemplo.

Quais investimentos são comercializados na Bolsa de Valores?

Na bolsa de valores brasileira, é possível encontrar uma variedade de investimentos, incluindo:

1-  Ações: representam uma fração do capital social de uma empresa e proporcionam aos investidores participação nos resultados da companhia investida.

2 - Títulos de Renda Fixa: como debêntures e Certificados de Depósito Bancário (CDB), oferecem uma remuneração predefinida ao investidor.

3 - Fundos de Investimento: são veículos de investimento coletivo administrados por gestores profissionais, que aplicam recursos em diferentes ativos de acordo com a política de investimento do fundo. Na bolsa, são comercializados exchange-traded funds (ETFs), ou fundos de índices, e Fundos Imobiliários (FIIs). Geralmente são fundos fechados, em que as cotas são comercializadas na bolsa.

4 - Derivativos: como contratos futuros e opções, que permitem aos investidores se protegerem contra oscilações de preços e especularem sobre a variação de ativos subjacentes. Esses são produtos de proteção ou alavancagem e podem trazer ganhos e/ou perdas expressivas. Ou seja, são ativos que demandam ainda mais cuidado e atenção do investidor.

O papel do Ibovespa na Bolsa de Valores

No cenário nacional, o Ibovespa desempenha um papel fundamental. É um índice de referência que acompanha o desempenho das ações das empresas mais negociadas na bolsa de valores, a B3. Se o Ibovespa está em alta, significa que a bolsa brasileira está indo bem, com otimismo e confiança dos investidores. Se está em queda, o resultado não está dos melhores.

O Ibovespa é composto por uma carteira teórica de ações de empresas de diversos setores da economia, representando, assim, uma amostra do desempenho médio das principais empresas listadas na bolsa. A seleção das empresas que compõem o índice leva em consideração critérios como liquidez das ações e representatividade dos setores na economia.

E se você é um investidor, é legal estar de olho nos movimentos do Ibovespa, para ter informações sobre a direção do mercado como um todo.

Ou seja, o Ibovespa pode ser muito valioso se você souber usá-lo para captar dados sobre a saúde e a direção do mercado de ações brasileiro e, com isso, modelar sua estratégia. Entender seu funcionamento e seus impactos é essencial para quem deseja se aventurar no emocionante mundo dos investimentos em ações.

Invista com o Santander

Como falamos anteriormente, investir pode ser uma solução criativa para contribuir com o seu ganho de capital e, assim, alcançar seus objetivos financeiros. Porém, existem riscos e a sua segurança deve estar sempre em primeiro lugar.

Para garantir que a sua jornada nos investimentos seja tranquila e eficiente, é fundamental contar com uma instituição financeira estável e com forte credibilidade no mercado.

No Santander, por exemplo, você conta com assessores prontos para te ajudar, uma plataforma simples e intuitiva, além de um portfólio completo, com opções de investimentos que vão encaixar com o seu perfil.

Investir com o Santander

Avalie esse artigo