Atualizado em 25-03-2022

por Equipe Santander

O cartão de crédito ocasionou uma renovação na forma com que nos relacionamos com as finanças, afinal, é uma opção repleta de vantagens e benefícios para quem utiliza o cartão. A praticidade, a segurança, o ganho de milhas aéreas, prazo para pagamento, só para citar algumas.

Além disso, o cartão pode ser a melhor saída para quem deseja aproveitar ofertas imperdíveis quando não tem dinheiro no momento da compra. No entanto, essa mesma facilidade que o cartão de crédito traz, pode trazer pequenas dificuldades caso você se descontrole na hora das compras. Pois é, tem muita gente que gasta mais do que pode e acaba acumulando dívidas ao final do mês.

Isso já aconteceu com você? Não ter a quantia necessária para pagar a totalidade da fatura do cartão? É uma situação delicada, mas não precisa de desespero. Na verdade, existem algumas soluções que podem ser feitas: pagar o mínimo possível da fatura ou parcelar o valor, caso essas opções estejam disponíveis.

No artigo de hoje, nós vamos falar sobre essas duas saídas, assim, você estará preparado para fazer essa escolha, caso esteja passando por uma situação parecida.

Vamos lá?

Vale a pena pagar o mínimo do cartão de crédito?

Se você não tem na conta a quantia total para pagar a fatura do cartão de crédito, existe a possibilidade de pagar um valor considerado “mínimo” pelo emissor do cartão de crédito, por exemplo, o Santander. A parte que você não pagar será transferida para o próximo mês, com juros do crédito rotativo.

O valor mínimo da sua fatura é composto pelo somatório dos seguintes valores, quando houver:

(i) saldo do crédito rotativo acrescido dos respectivos encargos incidentes no período;

(ii) prestações referentes a parcelamentos do saldo devedor de períodos anteriores;

e (iii) percentual dos novos lançamentos indicado na fatura.

Caso você ainda não tenha contratado nenhum tipo de parcelamento, o valor mínimo da sua fatura será composto apenas pelo percentual de novos lançamentos indicado na fatura a ser definido pelo emissor do cartão (item ‘iii”).

Você precisa prestar atenção, pois no mês seguinte você ainda terá todos os seus gastos fixos, com aluguel, contas e mensalidades, além de imprevistos. Por essa razão, o pagamento mínimo só é recomendando quando houver a certeza de que será possível quitá-lo no mês seguinte.

É melhor parcelar a fatura ou pagar o mínimo?

Como dito anteriormente, se você só precisa de um pouco mais de tempo para conseguir o dinheiro para pagar a quantia restante da fatura no próximo mês, o pagamento mínimo pode ser uma alternativa interessante. Mas tenha certeza de que você vai conseguir o dinheiro no próximo mês, ok?

Se esse não for o caso, o parcelamento da fatura pode ser uma solução mais atraente, por uma razão muito simples: os juros são menores e você terá mais prazo para pagamento. Inclusive, busque pedir para parcelar antes que a fatura do cartão vença. Isso vai facilitar o processo e evitar os juros por atraso.

Em contrapartida, o parcelamento consome o limite total do seu cartão e será disponibilizado conforme as parcelas forem pagas.

A importância de organizar as finanças

A melhor opção será sempre não acumular dívidas, ou seja, pagar a fatura por inteiro. Se faltou uma certa quantia no seu orçamento, vale a pena pensar na alternativa de pegar um empréstimo pessoal com taxa de juros mais baixa. Confira as soluções Santander que podem ajudar você a ganhar um respiro com as contas.

Quero um empréstimo pessoal

Mas como organizar as finanças? Outro caminho é ser rígido com o controle de gastos para que esse aperto não aconteça no fim de cada mês.

Você pode estar se perguntando por onde começar. Bom, é sempre indicado ter uma reserva pessoal, uma proteção financeira para imprevistos. Economizar não é um bicho de sete cabeças e você pode poupar dinheiro com algumas atitudes pequenas. Quer saber quais? A gente te explica como fazer uma reserva de emergência.

Além disso, é essencial ter um planejamento financeiro pessoal, pois é por ele que você vai se basear e encontrar alternativas para os momentos delicados. O planejamento financeiro consiste em traçar metas e gerenciar os recursos que se tem para alcançá-las, registrando todas as despesas, separando as contas por categoria e prioridade e cortando os dispensáveis, quando for possível.

Conclusão

Neste artigo, reforçamos a importância do planejamento financeiro e do consumo consciente com o cartão de crédito. Isso evitará faturas altas demais para o seu bolso e, consequentemente, as dívidas.

Se mesmo assim os déficits aconteçam, mostramos os prós e contras de pagar o mínimo permitido e também do parcelamento da fatura.

Por último, lembre-se de ter um banco que vai te apresentar as melhores alternativas nos momentos de dificuldade.

Abra a sua conta

Saiba quais são as formas de pagamento da fatura do cartão de crédito